terça-feira, setembro 18, 2007

Sobre a Filomedusa no Piola

A festa gay

Na última terça-feira, afundado numa velha monotonia musical de uma cidade dominada por calypso, pagode, forró, axé, funk, dance e até techno, fui avisado de que haveria, enfim, um show de rock. Tudo bem que a cena acreana vem evoluindo, as bandas ganharam mais espaço, já temos uma promessa na cena alternativa nacional (los porongas) e até um festival entre os maiores da região.. Mas shows de rock por aqui, em geral, ainda ocorrem com pouca frequência.

Eis que haveria o show de rock. Perto da minha casa. Numa terça-feira, quando há a certeza de que nenhum outro (bom) evento vai acontecer na cidade. Com as presenças garantidas de amigos, conhecidos e semiconhecidos (aqueles que você encontra por aí, cumprimenta, pergunta se está tudo bem e nem espera pra ouvir a resposta). Somando tudo, motivos mais que suficientes pra que eu resolvesse andar um pouco, abrir o portão, andar mais um pouco, dobrar a esquina, desviar das pedras das obras da calçada, atravessar a rua, andar mais um pouco, desviar dos carros estacionados, até chegar no local, devidamente cansado após tão longo percurso, percurso este que faço parecer longo descrevendo assim.

Eis que eu fui. Eu já havia sido avisado da temática da festa. Era uma festa gay. GLS. Fazia parte do "calendário da diversidade". Diversidade. Olhando rapidinho no dicionário: Diferença. Dessemelhança. Contradição. Oposição. Pra um grupo que luta pra ser igual, acho que o nome não é correto. Diversidade me remete também ao "Instituto da Diversidade", criado pelo governo acreano atual, cuja função ainda é uma incógnita. Por isso a insistência com a palavra "gay". Diversidade, aliás, é até um pouco de preconceito. É uma festa gay, oras. E pronto. As pessoas têm medo da palavra, mas é assim que vou tratar do assunto, com ampla utilização do termo, acreditando que ao final do texto serei acusado até de ser homofóbico, por não usar a palavra "diversidade" e fazer piada com o tema.

O fato é que, na festa gay, havia mais heteros do que "seres diversos". Com exceção de um ou outro, que nem precisa dançar YMCA na sua frente pra você perceber a opção sexual, a maioria parecia ser heterossexual. Os que não pareciam, deixavam pairar sob suas cabeças a incógnita "Será que é?". Certamente haviam ali, também, os que não se encaixam na categoria "gay". Pansexuais, atraídos pela beleza das árvores ali ao lado. Semi-heteros, que se não pegassem alguém do sexo oposto, se contentariam em "ficar" com amigos do mesmo sexo. Mas que, aham, não são gays. E adeptos da filosofia "straigh-edge", que preferem passar a noite jogando videogame do que.. é, enfim. Havia de tudo, certamente, toda a fauna. Mas dando pinta de ser da galera do arco-íris, mesmo, era raro.

Sendo ou não, estava numa festa gay, cujo maior atrativo parece ser não a segmentação de um público com determinada preferência sexual em um recinto, mas sim a reunião, sem preconceitos, de todos em um mesmo lugar. Só que, quando você tem algum interesse além da festa em si, a coisa complica. Sem meias palavras. Porque você, no caso eu, sujeito heterosexual, fica observando as menininhas, bonitinhas, acompanhadas de suas respectivas amigas..

Amigas..

Entendeu o ponto? É aí que a coisa complica. Porque você tá numa festa gay, oras. Sabe-se lá se são só amigas mesmo. Então, você, caro amigo hetero, que vai à uma festa à procura de mulher, anote aí: festa gay não é o lugar mais correto para encontrá-las. Recomendação não aplicável caso você tenha uma namorada. Aí pode bater ponto nas festas gays. Porque, veja pelo lado bom, o assédio masculino à sua namorada tende a ser bem menos frequente, ou mesmo inexistente, o que por consequência também diminui os riscos de entrar em conflito com algum gaiato durante a noite. Apesar disso não livrá-los, você e sua namorada, de assédio por parte da turma "diversa".

Mas fora isso, é tudo natural. Bebidas. Ambiente. Comportamento do público. Exposição com fotos de bundas masculinas. Ouvir "it's raining man". Tudo muito natural, quando você sabe onde está. E eu estava numa festa gay, incomum seria ver skinheads se divertindo por ali.






Você que chegou até aqui, deve estar pensando que eu esqueci de alguma coisa. Pois bem, o show. A banda era a Filomedusa. Como aprendiz de Lúcio Ribeiro acreano, podia ter a pretensão de chamar estas linhas de "resenha do show". Mas como eu, confesso, não fui com o intuito principal de ver a banda em si (embora a frase "show de rock" tenha me atraído), acho inoportuno dar ares de crítica musical à este texto.

Mas o fato é que eu estava ali, bem em frente à banda, do início a fim. E não estava bêbado, o que é interessante pra quem se atreve a comentar um show tentando ser sincero. Indo direto ao ponto: a banda evoluiu, visivelmente. O que não é uma surpresa, em se tratando de uma banda com pouco tempo de estrada e ótimos músicos. Se antes não tinha apelo o suficiente pra atrair gente como eu pra ir até um show conferir unicamente sua apresentação, essa visão parece estar mudando. Fico nesse papo de transição ("parece estar") porque preciso ver mais vezes. O que já garante minha ida a próximos shows. O fato é que o que eu vi me agradou, e muito. E essa era a opinião que reinava ali.

Um amigo comentava: "Tem um pouco de Radiohead nessa guitarra". Eu sou um reles representante de público de show, longe de ser um crítico musical, daí o fato de não ter essa sensibilidade pra perceber influências. Se fosse apontar alguma, diria que Franz Ferdinand parece ter ditado acordes na guitarra e batidas da bateria na hora de criar certas músicas. Até mesmo na hora dos covers, tão combatidos pela galera da música autoral, mas com a esperta função de se aproximar do público, percebia-se algo inovador.

Moby? Tim Maia? Com roupagem rock? Sequer imaginava a hipótese. Eis então uma descrição da Filomedusa, uma banda nova, em nítido processo evolutivo, que já se mostra uma promessa, tão logo novas composições entrem para o repertório e as atuais ganhem (mais) o gosto do público. Eu não fui lá para vê-los, é verdade. Porém, da próxima vez, quando anunciarem "show da Filomedusa", é certo que serei atraído não mais pelo simples fato de ser um show de rock, mas pela vontade de comprovar que estamos vendo nascer uma nova boa banda acreana.


Thiago Fialho
Fonte: Coca Mata : blog do Thiago F


Powered by ScribeFire.

15 comentários:

  1. muito bom...

    so q no blog dele, o GAY, botou uma foto do Sao Paulo Futebol Club...

    Fialho te pego na Faculdade!!! (socos)

    ResponderExcluir
  2. Anônimo3:16 PM

    Qnto à monotonia musical que você se refere, ela só rola pq os organizadores de shows ñ têm a coragem de contratar outros naipes musicais (rock nacional, p. ex.). Sabe o porquê? Porque custa uma grana preta e a galera que curte essa situação é em menor quantidade. Mas saiba que, quem curte rock ñ é mais nem menos bom que os demais que curtem sertanejo, p. ex. C/ td o respeito, vc ñ pode deixar claro qnto ao seu estilo musical preferido. Se escreve num blog ou p/ um jornal, devia saber disso. Não devia emitir suas preferências (musical, sexual etc.). Mas sim, sua opinião, simplesmente!
    Vc pode até ñ ser machista, mas tem resquícios de tal.
    P'acabar, seja festa "de homo ou hetero", tá valendo a presença da geral. Nada disso: "festa de homo", só homos entram!
    Por favor, respeite minha opinião! Afinal, o espaço é reservado p/ tal. Não a apague!

    PS: Se precisar duma forcinhae, pa desenrolar teus erros ortográficos, dae um tok. Vai ser um prazrzão. Só um ex: DISSEMELHANÇA é o correto! Não, dEssemelhança! Por favor, retifique! Ah! Fica na traqüila, ok!? Sou hetero! Vida longa, Paz e Amor!

    ResponderExcluir
  3. Caro anônimo, você é burro ou só se faz? Na verdade é uma pergunta retórica, a resposta eu já tive ao ler seu comentário. Estes supostos erros de português que você citou não estão presentes no meu texto.

    Se você tivesse o mínimo de discernimento e um pouco de atenção, perceberia. Tudo bem, de algumas pessoas não se pode cobrar muito, já impressiona que você tenha capacidade de formular um comentário.

    Aliás, um comentário repleto de erros, que pra quem vem aqui tentando corrigir alguém, é no mínimo uma contradição.

    "DISSEMELHANÇA" é o correto? Você tem dicionário em casa, caro anônimo? Se quiser dar uma olhadinha.. Não faz mal e ainda evita o risco de parecer pedante.

    Sobre expor minhas opiniões ou preferências, eu escrevo o que bem entender, porque o blog (coca mata) é meu. Não é você que o mantém, eu não tenho que escrever nada para lhe agradar ou pra agradar quem quer que seja. Eu escrevo o que quiser. Você é o quê? Um estudante de primeiro período de jornalismo que aprendeu (erroneamente, pois não é regra) que a mídia deve ser imparcial e veio aqui tentar dar uma lição em mim, pobre blogueiro ignorante? O Sérgio Martins, jornalista da Veja, pode dizer na revista que acha o Metal uma merda, e eu, blogueiro dono do Coca Mata, preciso fingir que gosto de sertanejo e afins?

    Bom, escrevo este longo comentário porque tenho esperança nas pessoas, acho que um dia você pode, quem sabe, deixar de passar vergonha em comentário de blog e se tornar alguma coisa importante pra sociedade, ou pelo menos pros seus pais. Mas pra isso, um pouco de estudo e dedicação são necessários. Vou esperar até este dia, e fique à vontade pra comentar, de preferência assinando seu nome, meu caro "anônimo-hetero-paz-e-amor".

    Se eu tiver que envergonhá-lo novamente utilizando pra isso o seu próprio comentário, não hesitarei. Tenha mais cuidado com as palavras da próxima vez. Um abraço. E tente outra vez.

    ResponderExcluir
  4. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    VO MORRER!

    ResponderExcluir
  5. thiago sabe usar as palavras.
    Meu amigo =)

    ResponderExcluir
  6. Isso aí sr. Thiago Fialho!

    Até que fim essa faculdade de Direito tá servindo para alguma coisa.

    :D

    ResponderExcluir
  7. Faculdade de Direito... Ele faz mesmo...

    Mas para mim, sempre será o melhor blogueiro que o Acre já teve...

    Tenho que tomar cuidado... Meu amigo já tem um ego muito Grande...

    ResponderExcluir
  8. � companheiro an�nimo, da pr�xima vez pelomenos se identifique, � mais digno.

    ResponderExcluir
  9. Anônimo5:20 PM

    Quanto ao "desemelhança", peço-lhe desculpas. Vc estava, sim, correto. Há as duas formas. Gostaria que também fizesse o mesmo: dê um confere no dicionário. C/ td o respeito! E eu ñ sou estudante de 1º período de Jornalismo. E vc poderia respeitá-los mais! Afora o "dessemelhança", mantenho td escrito por mim! Não perca a linha diante essas situações! Afinal, vc tá sujeito a críticas. Profissionalismo é o ideal. Não ofenda seus leitores e ñ perca seu tempo (precioso) tentando ensiná-los a escrever. Deixe isso p/ os profissionais da educação. Um ótimo trabalho e um forte abraço!

    ResponderExcluir
  10. Ora, ora.

    Vejam só quem voltou.

    Meu querido "anônimo-hetero-paz-e-amor". Que prossegue anônimo, apesar de toda a curiosidade que toma conta de mim e dos leitores deste blog em saber quem está por trás de tão belas e corretas palavras redigidas nestes comentários. Convém lembrar que comentar anonimamente neste espaço é um direito seu, mas não espere ser respeitado dessa forma.

    Mas vamos em frente, que precisamos dar prosseguimento ao espetáculo. Não se ofenda com seu papel de palhaço, é uma profissão muito digna, e fazer rir é algo bem mais nobre do que propagar análises infrutíferas sobre os textos alheios.

    Não tenho compromisso nenhum em respeitar quem faz críticas infundadas como as suas, ainda mais quando comenta sem se identificar.

    Se você não quer ser ofendido, não ofenda. Você me ofende ao apontar, com ar de superioridade, um erro inexistente no meu texto. Ofende-me também ao difundir a idéia de que necessito da sua ajuda, justo a sua, para corrigir meus textos. E ofende-me ainda mais ao fazer estes comentários com a covarde proteção do anonimato, como se lhe faltasse dignidade para assumir, assinando seu nome, tudo o que escreve.

    A diferença das minhas ofensas para as suas é que eu fui bem direto, e você tentou se passar por um leitor respeitoso, mesmo escrevendo coisas que demonstram exatamente o contrário.

    Eu não ofendi em nenhum momento os estudantes de jornalismo, só fiz uma crítica ao que muitos professores ensinam para seus alunos, que entendem os ensinamentos como se fosse um dogma irrefutável e saem alardeando por aí, sem observar em qual tipo de veículo os textos estão expostos.

    E se você não percebeu, você não está na Folha de S. Paulo, isso aqui é um blog e eu não sou jornalista. Você deve estar acostumado com a seriedade de alguns jornais e revistas. Quer que eu explique a diferença entre blog e jornal? Ok.

    "Blogs jornalísticos" são apenas uma subcategoria dos blogs, e este aqui não se enquadra nela, pelo caráter informal usado em muitos dos textos. Aliás, a maior parte dos blogs no mundo tem nessa liberdade dos "posts" sua maior e melhor característica.

    E, realmente, às vezes a gente se depara diante de casos quase perdidos, como você, e fica difícil tentar ensinar alguma coisa. Mas isso não me desanima. A cada vez que você falar uma besteira, eu vou retrucar. Se você não gostar, procure algum órgão de proteção aos leitores de blogs para reclamar, ou simplesmente aceite sua ignorância.

    Assim como você tem seu espaço aqui pra escrever o que bem entender, deve estar preparado também para receber respostas no mesmo nível.

    Agradeço sua preocupação com a maneira como gasto meu tempo, e lhe felicito pela maneira como você tem utilizado o seu, fazendo comentários esdrúxulos neste blog.

    Ah, segui seu conselho e procurei no dicionário pela palavra "dissemelhança". Não achei. Os dicionários pesquisados foram o "Dicionário Eletrônico do UOL" e o "Novo Aurélio Século XXI". O Word também aponta a palavra como incorreta. Vou lhe dar um crédito de confiança, supondo que seja realmente verdade o que você afirmou sobre o uso dessa palavra, mas faça o favor de nos mostrar qual foi o dicionário consultado.

    Enfim, apesar do questionamento, tenho que lhe confessar que fiquei entusiasmado com a chegada de um revisor de textos neste blog. Venho escrevendo em blogs e sites na internet há quase 7 anos e às vezes é chato depender somente do auxílio do corretor ortográfico do Word, que é bem limitado.

    E isso quando tenho paciência para submeter o texto a este recurso, porque o blog é uma ferramenta ágil de comunicação e muitas vezes não temos tempo para revisar os textos, já que buscamos publicá-los rapidamente.

    Vejo com admiração sua proposta de revisar meus textos gratuitamente, exceto pelo reles fato de que ainda não mostrou ser capaz de cumprir a função.

    Imaginando que, a partir de agora, você irá se dedicar assiduamente à busca pelo aprimoramento de seus conhecimentos para ter capacidade de executar essa honrosa tarefa, vou aceitar sua oferta.

    Abaixo, publico os endereços de alguns dos meus blogs.

    http://cocamata.blogger.com.br

    http://thiagofialho.blogspot.com

    Neles, sem dúvida alguma, você irá poder dispor de seu vasto tempo para encontrar centenas de erros de português e de digitação, que existem aos montes.

    São cerca de 650 textos.
    150.000 palavras.
    620.000 caracteres.

    Boa sorte.

    Aguardo ansioso pelas correções.

    ResponderExcluir
  11. Anônimo3:52 PM

    Gostaria de agradecer-lhe pela explicação a respeito da diferença entre blog e jornal. Quanto à palavra que havia dito, pode confiar. Há, sim, as duas formas. Agora, mudando de assunto, por que ñ pára de atacar, hein!? Tou aqui na Paz! E, desde já, desculpe-me OUTRA VEZ! E ñ peço-lhe desculpas p/ que me peça. Essa é a minha natureza: se errei, é assim que faço! E, por favor, não compare a fígura do palhaço com uma situação desfavorável. Porque você o fez assim. Em vez de palhaço, poderia ter me chamado de idiota, ignorante, imbecil etc. E, com todo o respeito, continue o seu trabalho. Ele é muito bom!

    ResponderExcluir
  12. Anônimo, depois deste pedido de desculpa, eu até lhe convidaria pra tomar um sorvete de açaí, se você não fosse anônimo.

    E, "com todo o respeito", espero que use melhor essa frase e pare pra pensar no seu significado.

    Ide em paz. E obrigado pela participação.

    ResponderExcluir
  13. Anônimo5:26 PM

    Acredito, então, que resolvemos "nosso" problema! Muita Luz, Paz e Amor!

    ResponderExcluir
  14. ThiagoMelo11:21 PM

    "que se oriente com o que possa criar" ;p
    é isso ai Fialho, arrasou!

    ResponderExcluir