segunda-feira, maio 14, 2007

Diário de Bordo (Blush em SP)

Só pra mim não esquecer (eu sei que mim não esquece, mim não conjuga verbo, mim não faz nada. É só porque eu quero falar de mim mesmo)


Blush Azul tem uma estudante de jornalismo em sua formação que poderia escrever sobre tudo que acontece com o grupo, certo? Errado. Juro que até levei bloquinho e canetinha. Mas não serviu para muita coisa não. Não pra escrever um tal diário de bordo; nem para anotar telefones, e-mails e endereços (isso eu fazia nos versos dos flyers), nem a máquina fotográfica ficou o tempo todo comigo.

Sei lá o que aconteceu. Eu queria mesmo era curtir. Não tava nem aí pros blogs da vida. Queria conhecer gente nova, bater-papo, falar de música, reparar nas gírias, nos sotaques (me amarro nisso), sem esquecer dos ‘emos’ e da ‘culinária’. E eu ficava viajando ao reparar o quanto as coisas se diferenciam e se tornam tão iguais. Penso no Galpão das Artes, na Concha Acústica; no Grito Rock Vilhena - que aconteceu no mesmo lugar onde foi realizado o Carnaval – penso no Luar Rock Bar e no Nossa Aldeia. Reparo nos trajes, nas cores de cabelo, nos Allstars, nos Adidas, nos cintos de tachinhas, nas calças quadriculadas, nas peles limpas e nas tatuadas. As formas de se cumprimentar, de curtir um show, de cantar, pular... É possível enumerar características peculiares de cada lugar e ao mesmo tempo ver a semelhança entre cada um deles. É complicado, mas tudo muito encantador. Sim, digo encantador porque eu sou mesmo uma romântica enrustida que olha tudo com os olhos do coração e que queria bater foto até com a moça do bar que me sugeriu aquela tal Jurupinga (uma delícia, diga-se de passagem).

E como disse meu primo (paulista há sete anos), “São Paulo é como se fosse um país, dentro dele é possível encontrar todas as regiões do Brasil”, o que não deixa de ser verdade. Antes disso, eu até tava afim e comer a comida típica de São Paulo, mas quem disse que eu achei?! Tudo bem, pela primeira vez na grande metrópole, eu esperava mesmo era encontrar coisas bem diferentes. Andei de metrô, fiz mesmo perguntas idiotas e tirei todas as minhas dúvidas sobre o assunto. Aliás, eu acho que fiz muitas perguntas idiotas durante essa viagem, até tentaram me convencer que Dance Of Days não é ‘emo’, sendo que eu acho que essa sim é uma banda ‘emo’ de verdade.

O primeiro show da Blush em SP aconteceu no Luar Rock Bar, uma casa abandonada que foi transformada em um bar de rock e, de surpresa, contamos com a presença do Diogo, Anzol e João (Porongas). Naquela noite, poucas bandas que se apresentaram investem em trabalho autoral, a mais interessante foi uma chamada “Roma”, (Amor ao contrário), tem como vocalista e guitarrista o Digão - ele trabalha numa casa que cuida de crianças com câncer, e boa parte das que estão lá são acreanas – com quem firmamos uma boa amizade.


No sábado, fomos almoçar com os roqueiros ‘acreanos’. Diogo, Anzol, Magrão, Carol Caricatus, Agatha, ‘Kuc’ (se escreve assim? É o pai da Agatha, o cara que incentivou o Anzol a tocar bateria, daí já é imaginável a geração do qual o cara faz parte), e Blush Azul. Passeamos pela Theodoro Sampaio (a rua dos instrumentos musicais), passamos por algumas feiras e acabamos no Mac Donald.

No domingo, o segundo show da Blush Azul em Sp. Esse sim, foi “o show”, o II Fest Pro HC (que de HC não tinha muita coisa). Conhecemos muitas bandas, muita gente simpática, tocamos no mesmo palco que Killi, Granada, Fábrica Civil e Dance Of Days (sim, eu sei que muitos de vocês podem não entender, mas isso é muito importante pra mim... aaahhh). Eu realmente não queria usar clichês como ‘uma sensação inexplicável’ para definir como foi subir naquele palco e tocar prum pessoal que nunca viu a gente e sabe-se lá se verão outra vez, mas foi uma sensação simplesmente inexplicável.

No dia seguinte, fomos à Galeria do Rock. É rock mesmo lá. Eu gostei. E todos nós gostamos. Até a quarta-feira cada um fez um programa diferente e acho que pude perceber o irritante de São Paulo: É difícil fazer o que a gente planeja, a cidade demora a acordar, as horas passam muito rápido e o trânsito atrasa tudo. Ainda peguei o final de uma reunião de punks, em frente ao Museu de Artes de São Paulo – Masp. Um deles dizia: “Gente, vamos escrever, colocar nossas idéias no papel, fazer e distribuir zines...” Eu até ia lá falar com ele, mas ‘como num piscar de olhos ele desapareceu da minha vista’ (eles eram todos iguais).

E pouco a pouco a viagem ia chegando ao fim. O Victor com medo de descobrirem que ele é PM, a Irlla desejando as bolsas e sapatilhas de zebra, a Kaline ‘soltando a franga’ lá em Curitiba (foi a mãe dela que disse), e eu me esforçando para não perder o controle sob a quantidade de chocolates que eu comia por minuto. O importante é que não foi apenas uma viagem para a Blush Azul tocar em São Paulo, foi a oportunidade de ganhar uma experiência inesquecível e tão difícil de definir. E assim a gente percebe a importância das pequenas coisas – como tocar no primeiro Grito Rock Vilhena, lá em Rondônia, e fazer amizade com gente das mais diversas regiões, como o pessoal da Fábrica Civil. Com a missão cumprida, eu estaria mentindo se dissesse que foi tudo uma maravilha. Se tivesse sido assim, talvez não tivesse tanta graça. Rolou estresse sim, conseqüência do nervosismo e da ansiedade, os sentimentos que dão o gosto delicioso de fazer parte disso tudo e experimentá-lo pela primeira vez.

Não sei se consegui recuperar um diário de bordo que nunca existiu. O fato é que estive olhando as fotos e pensando se a única lembrança que teremos disso tudo seria com as fotos, e que, com foto ou sem foto, a minha memória sempre me deixa na mão. Por isso, taí o registro textual! Na verdade, eu preferiria dizer apenas que foi tudo 'sexo, drogas e rock´n´ roll'. Por mais que não tenha sido literalmente isso, foi tão empolgante quanto. Aconteceu muita coisa que renderiam um texto enorme! Eu não falei da turbulência no avião; das negociações na compra de alguma bugiganga (olha o homem-aranha na parede); dos aperreios na hora de escolher a roupa para os shows; da queda que eu ia levando ao subir no ‘palco’ do Luar; dos presentinhos que a baterista recebeu; da dúvida se uma tal goma de tapioca estava estragada (né Kopa? – um metaleiro acreano que também nos recebeu lá em Sampa); dos shows do Motorhead, Mutantes, Ultraje a Rigor que perdemos (do Fresno e do Matanza também); da Charlotte (a cachorra mais simpática que conhecemos), da goteira em cima do colchão; dos costume paulista de só dar um beijinho na hora de cumprimentar; dos nossos ‘Tios’ Wilson e Manoela e a recepção suuuuper agradável que eles nos ofereceram; do Toka Stúdio (sim, ficamos hospedados numa casa que tinha um estúdio para ensaiarmos... há.há.há) e... o que mais? Ah, definitivamente, há coisas que não tem como descrever (e nem vale a pena tentar), porque só quem esteve lá vai entender (não é querendo excluir ninguém, mas, quem sabe mais alguns anos de jornalismo me deixem mais preparada para descrever o que eu não estou conseguindo agora e me faça ter melhor a noção de ‘factualidade’... rsrsrs).

Até à próxima!

5 comentários:

  1. Irlla Narel11:21 AM

    Por mais incrivel que seja, eu lendo esse diário pela segunda vez e vendo essas fotos como mensagens subliminares...eu senti saudade de São Paulo! E uma das coisas que não eu senti(e é verdade) quando eu estava lá...foi saudades daqui e sabia que quando voltasse não sentiria saudades de lá - mas acabei me pegando em saudade agora.
    Mas adoreeeeeeeeei Grosélia =* muá

    ResponderExcluir
  2. Eu sempre ficava me perguntando o que as meninas da Blush foram fazer em São Paulo... Não que eu duvidasse do talento da banda, até mesmo porque gosto do som que a banda faz. Mas me perguntava quem estaria assessorando a banda, ficava imaginando o humor do vitor, afinal viajar com tres mulheres é brutal. Haha. E é duca ver que mesmo em sampa os acreanos encontram os acreanos que moram por lá. Parece que todo acreano nasce com gps biológico embutido para sempre estar próximo da mesma espécie. hehe. Afinal, ler este pequeno contra diário de bordo, mais lembranças e devaneios da Gissele faz a gente perceber que o que valhe dessas aventuras são essas recordações que pudemos trazer na mente e como dizem por aí, felicidade dividida é felicidade em dobro.

    Valeu meninas da Blush e grande guerreiro azul.

    ResponderExcluir
  3. Anônimo9:22 AM

    vai te catar merda essas orrorosas nao prestam se for de Deus ai sim eu leio co muito amor mas isso ai !

    ResponderExcluir
  4. Anônimo9:24 AM

    coisa feia de se fazer vao rezar para DEUS o todo poderoso!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! S2 (*-*)

    ResponderExcluir
  5. Anônimo9:36 PM

    Greеtings! I know this is sοmewhat off topic Ьut I աas
    wondering іf you knew աhere I сould get a captcha plugin fοr my cοmment form?I'm սsing the
    same blog platform ɑs yօurs and I'm hɑving troublle finding one?
    Thаnks а lot!

    my paցe; accent tables

    ResponderExcluir