terça-feira, outubro 16, 2007

Marlton, a crença naquilo que é impossivel.


Estava pensando em escrever um texto sem utilizar o termo "TPV", mas ultimamente não tem nada que conceitue melhor todo e qualquer sentimento em relação ao Varadouro, se não a palavra "tensão". Seja ela boa ou ruim, o fato é que caiu a ficha de todo mundo que tá trabalhando pra levar isso adiante: bandas, organização, entusiastas e o que mais possa ser associado. Uma coisa é saber como funciona, outra (bem mais difícil, diga-se de passagem) é fazer funcionar corretamente.

Entrando no mundinho da minha banda, fomos convidados para tocar no Festival, mas não lembro por quem e nem onde. De vez em quando chegava alguém pra mim, falando "Ei, vocês estão no Varadouro... Né!?", mas eu não sabia se era uma pergunta ou afirmação. Então pairou a dúvida do "vamos/não vamos" por um tempinho. E um tempinho antes desse tempinho, a banda já vinha sofrendo da síndrome da estagnação e precisava de um remédio eficaz (uma bala 7Belo pra quem acertar o nome do remédio).

O chato mesmo é termos que lidar, assim como várias outras bandas, com a frustração de não poder dedicar-se única e exclusivamente à mesma, afinal, há vontade de viver de música, mas a realidade ainda difere do anseio.

O tempo é escasso, os horários vagos são reduzidos por desentendimentos e conflitos de idéias, a falta de dinheiro está sempre rindo da nossa cara e tentando carregar as oportunidades para além do nosso alcance e a irresponsabilidade e falta de vínculo, a essa altura do campeonato ainda é presente em membros da banda (e olha que lidar com gente é uma arte à parte). Então por que continuar, se tudo parece conspirar contra nós? Crença.

Um dia desses, o Aarão me falou: "Os primeiros a ter de acreditar nas músicas de vocês, são vocês mesmos". E é bem verdade: música bem executada sempre irá agradar a alguém, por mais duro que seja ensaiar, gastar grana, brigar, pensar em desistir, etc. A música pode não ter um quê de poesia, pode não mudar a vida de quem ouve, a cada frase proferida, mas uma boa execução com um sorriso no rosto faz bem a qualquer ouvido, olho e mente aberta. E o segredo disso tudo é a crença musical e a humildade de saber ouvir toda crítica construtiva como uma crítica construtiva, filtrando o que chega de real má fé.

Então, adotamos a política: não argumente, mostre. E isso deve-se em grande parte à expectativa e a vontade de "não fazer feio" em torno do Varadouro e sua magnitude musical. Magnitude esta que, infelizmente, não é tão reconhecida aqui na cidade.

É uma pena ouvir acreanos (engajados ou não à cena) se questionando sobre o conceito de Festival Varadouro, enquanto em outros estados sua importância inquestionável o torna uma referência grandiosa.

Se todos soubessem a quantidade de pessoas que têm vontade de assistir e de bandas que anseiam por uma participação, teriam pelo menos a sábia curiosidade de prestigiar a movimentação "independente" (em aspas por precisarmos de apoio, é claro) que tornou o festival o que ele é.

E graças ao que ele é hoje, o número de pessoas envolvidas vonluntariamente é maior e mais qualitativo. A força de vontade impera. E entre problemas intermináveis e soluções "meia-boca", o sentimento de que tudo, no final das contas, dará certo se confunde com o medo e a tensão (ela mesmo! lembra?) por conta de possíveis males que possam atingir o bom funcionamento do 'todo'. Mas afinal, não seria grande e nem teria graça se fosse fácil, concorda?

Rodrigo Oliveira é guitarrista da Marlton, e tira uma onda de estudante de publicidade nas horas vagas. Assim como os seus riffs de guitarras seus comentários são precisos e afinados afiados.

6 comentários:

  1. lucas3:46 PM

    Gostei do texto Rogrigo, vc poderia estar participando da equipe de comunicação. hehe
    E vamos trabaiá

    ResponderExcluir
  2. Égua ta vibe dos desprovidos de calma! hehehehehe

    =*

    ResponderExcluir
  3. lindo mesmo rodrigo, gosto do jeito que você escreve. e vamos na vibe do varadouro, :)

    ResponderExcluir
  4. Bom, como já comentei no post da Irlla, muito bacana esses relatos dos músicos aqui no blog. Textos como esses retratam bem o espírito de quem lida de alguma forma com esse universo da música, tão povoado de adversidades, mas ao mesmo tempo tão prazeroso. E vamos em frente, que a estrada é longa. =]

    ResponderExcluir
  5. ele é demais !
    o rodrigo e demais!

    ResponderExcluir