sexta-feira, setembro 26, 2008

E o Chico Pop?

Tenho tanto para replicar nessa postagem do Blog do Altino, que resolvi dividir essa tarefa com o Grito Acreano:

Independente de Público



Conforme observei há dois anos, a cena roqueira acreana se julga tão independente, mas tão independente, que nem demonstra preocupação com a ausência de público em suas festinhas.

Passei apressado no Festival Chico Pop, mas fiquei assombrado com o excesso de decibéis e, claro, de ausência de público.

A foto de Val Fernandes não me deixa mentir: "milhares" de pessoas na praça da Revolução, durante a apresentação do vocalista André Lima, da banda Cappuccino Jack.

Três horas depois havia mais ou menos 150 pessoas no evento. Nos anos 60 e 70, o saudoso jornalista Chico Pop chegou a organizar eventos mais animados e prestigiados pelo público.

A Petrobras começa a aparecer como patrocinadora de eventos culturais no Acre, como o Festival Varadouro. É uma clara ofensiva para calar a resistência contra a prospecção de petróleo em áreas de preservação e terras indígenas.

Patética é a participação de uma banda indígena da etnia ashaninka em evento patrocinado pela Petrobras. É a primeira vez que isso ocorre no Varadouro, mas o inusitado tem outro alcance.

Recentemente, lideranças ashaninka da Terra Indígena Kampa do Rio Amônia, no Brasil, denunciaram (leia no Blog da Amazônia) que a Petrobras está preparada para iniciar atividades de prospecção e exploração de petróleo e gás, no alto rio Juruá, no Peru, em lote sobreposto a territórios de comunidades nativas e de índios isolados.

Bem, trabalhei com Chico Pop no diário O Rio Branco, onde ele assinava a coluna a "Cidade se diverte". Certa vez cometi dois versinhos para ele:

"Enquanto a cidade se diverte
Chico Pop chora"

15 comentários:

  1. Realmente a estrutura de decibéis assusta, mas quem conhece de som sabe que ali tinha o minimo para fazer um som com qualidade em espaço aberto. Quem não conhece realmente fica assustado.

    Era a primeira banda do festival que se apresentava enquanto aos poucos o publico ia chegando. Faço parte daqueles que acreditam que a cultura independente de qualquer coisa precisa se fazer presente e acontecer. Veja bem falei independente de qualquer coisa.

    Altino seu excesso de sinceridade não me preocupa, mas bem que tu perdeu um festival com o que melhor da música acreana pode oferecer. Se o público era pouco porque não ficou por lá e prestigiou evento?

    Detalhe que é primeira vez que estamos tentando organizar eventos, o pessoal do catraia já realiza eventos a mais tempo e sempre que posso compareço para me divertir. E tenho certeza que tanto o pessoal do Chico Pop quanto o pessoal do Varadouro vão continuar realizando suas ações independente de qualquer coisa.

    Cada um com o seu modus operandi, em prol da cultura acreana e do bom público que valoriza a cultura no nosso estado. Sacou?

    Essa é a nossa vibe.
    ;)

    ResponderExcluir
  2. apesar dos pesares,
    pra início de conversa e de festival,
    foi bom.
    é preciso considerar q por aki
    achar uma tradição de eventos culturais ainda é pedir demais.
    mas foi um início.
    e todo início leva a um fim
    imediatamente melhor.
    pelo menos, é isso que se supõe.

    ResponderExcluir
  3. Para quem quer público exorbitante, acho bom ir pesquisando o preço do abadá pro próximo carnaval fora de época. Quanto à qualidade, parabéns ao Festival Chico Pop e longa vida a força da cena cultural independente acreana!!!

    ResponderExcluir
  4. E ainda, cada um "vê aquilo que quer". E descreve do jeito que convém...
    Repetindo: Longa vida a força da cena cultural independente acreana!!!

    ResponderExcluir
  5. É verdade, o público não foi grande, mas achei interessante porque boa parte daquele público que estava por ali não é esse público que costuma ir frequentemente à eventos de música autoral no Acre. Quer dizer, ao fazer um evento em um local central da cidade, estamos atraindo a atenção de um público "novo", e não apenas daqueles mesmos que estão sempre em eventos do tipo.

    E vejam o nível das respostas do Grito às críticas: ninguém aqui vai dizer que o Altino "é um frustrado" ou mandar ele "procurar algo melhor pra fazer". Quanta diferença! =D

    ResponderExcluir
  6. Bom, o que eu falar, todo mundo já falou. Mas sobre o que o Thiago falou sobre o nível das críticas, eu vou complementar:

    "É só o Altino, pô! Deixa ele falar o que ele quiser..."

    Será que desci muito o nível com isso? Espero que não. That would be baaaaaaad....

    ResponderExcluir
  7. Hummmm. Bacana o nosso Adaildo Neto dando lição na nossa imprensona acreane e reproduzindo um opinião diferente. Bacana gente opinando, discordando, sem afetação. Se eu não gostasse dos roqueiros da floresta nem me preocuparia em observar o movimento deles. Vamos em frente. Vai chegar o dia que vão acertar na mosca e reunir um zilhão de gente. Vamos pensando e debatendo...

    ResponderExcluir
  8. Ainda acho um pouco provável reunirmos um zilhão de gente como o Altino falou. O acreano, de um modo geral (sim, estou me referindo ao povão...), ainda tem uma certa resistência a esse tal de rock 'n roll. Eu, por exemplo, sou de Tarauacá, no interior do Estado. Poderia ter passado a infância inteira ouvindo "Leandro e Leonardo". Não fossem uns cds do "Engenheiros do Hawaii" que meu tio me emprestou, não sei o que seria de mim hj...

    Mas espero que um dia cheguemos ao "milhãozinho". Já ficaria feliz... ;)

    ResponderExcluir
  9. Acredito que o Altino defende a vertente de jornalista opinativo e por estar em blog, fala o que quer.. mas acho que ele paga mtu pouco pelas opiniões equivocadas que produz.
    A expressão cena roqueira em sua festinha, foi uma ironia infeliz. Se eu falasse: materiazinha, ele se sentiria menosprezado? Pow, isso é um evento cultural. O primeiro inclusive. Querendo ou não, honrando o nome do Chico. Ele fez eventos melhores, ok.. Mas nós estamos nos movendo a tentar, pra seguir o exemplo dos melhores. E "a cidade se diverte", eu vi muita gente dançando.. principalmente no Mapinguari Blues. No início de tarde, além do atraso, o público estava sendo atraído.. além de nós que já apreciamos, tinham outros que compuseram as +/- 150 pessoas que estavam lá..
    Como disse Neto, tinha uma equipe especializada em som para o evento.
    Mas completo com o comentário da Mayara, quer ver mta gente.. hj tem passeada de um partido.. !
    E meu deus, a crítica do patrocínio da Petrobrás. Eles patrocinam eventos culturais em todo o país!E não tem nada de patético na apresentação do grupo ashaninka! ¬¬ Pelo contrário, é uma democratização, uma oportunidade de tocar em um festival da proporção do varadouro!

    Bom, os julgamentos pessoais do Altino não edificaram. Sendo muito prepotente da parte dele expressar da forma que fez no blog dele.

    ResponderExcluir
  10. A crítica a respeito do público veio de alguém que sequer se deu ao trabalho de prestigiar o evento. Ok.

    Partindo do pressuposto que a cena musical acreana ainda caminha, penso sim que todo esforço é válido. A intenção não é lotar espaço, arrecadar com bilheteria ou o que seja. A preocupação é demonstrar a produção cultural do estado, que é de qualidade e merece mais espaço, sim. Espaço que vem sendo calcado através de iniciativas como essa. Porque assim como é fácil se sentar na frente de um teclado e um monitor e pensar na próxima polêmica, também é fácil ludibriar o público oferencendo cerveja a R$ 1,00 e entrada gratuita para mulheres até meia-noite. Até mesmo aqueles que discordam do modus operandi do Coletivo Catraia, por exemplo, comparecem aos eventos que o coletivo organiza no simples intuito de fortalecer a cena e a produção. Eu, que sequer sou do estado, sou entusiasta de projetos como o Chico Pop e procuro colaborar sempre que posso, ainda que somente na troca de idéias. E assim a cena segue, pensando em qualidade ao invés de "zilhões de pessoas numa festinha".

    Venhamos e convenhamos, polêmica por polêmica esse blog já tá beeem escolado.

    Meus parabéns ao realizadores do festival Chico Pop. E até mais tarde, no Varadouro!

    ResponderExcluir
  11. - Se só eu criticasse, faria o mesmo que o Altino. O grito todo replicando com a inteligentsia.. mantém o nível =D

    Sabia que vcs colaborariam.. o/

    ResponderExcluir
  12. Como artista, colaborador e público, me sinto mais do que no dever de expressar minha opinião sobre o infeliz comentário do Altino, sobre o post pobre e sensacionalista que ele se deu ao trabalho de escrever. O Festival Chico Pop veio com a iniciativa de explorar o espaços públicos através da cultura, focada principalmente na música acreana. Foram 150 pessoas, ótimo! O que mais me deixa chateado é que o post do senhor Machado não é uma crítica e sim um comentário maldoso e sem fundamentos. Você esqueceu de falar que a Praça da Revolução foi tomada por famílias, trabalhadores e estudantes que dividiram aquele espaço harmoniosamente. Não houve assaltos e muito menos agressões físicas. O Festival serviu para os trabalhadores que possuem pontos de lanches e comidas típicas aumentarem seu faturamento, além dos vendedores de balões e algodão-doce, já que a criançada também se fez presente no evento. O principal intuito é o de formar público e fornecer a música pras pessoas num local agradável e mais do que isso, sem precisar pagar nada por isso, se os próximos poderão ser gratuitos eu não sei, mas este foi e justamente porque o povo precisa disso, precisa de estímulo, precisa de alegria e assim é que se forma público. Quanto as bandas, todas ficaram honradas por ter participado do Chico Pop, porque obtiveram espaço para mostrar sua arte e ainda receberam como cachê a possibilidade de gravar uma faixa musical no melhor estúdio e com o melhor profissional de Rio Branco. Quanto ao patrocínio da Petrobrás é importante frisar que a empresa é perceira Varadouro não de hoje e antes da problemática que você citou no seu post. A Petrobrás apóia diretamente o Festival Varadouro e não o Conjunto Ashaninka que iria se apresentar hoje. Iria? Sim... é importante antes de escrever estar bem informado, o Conjunto Ashaninka não vai se apresentar hoje no Varadouro pelo motivo de um problema que aconteceu na aldeia Ashaninka com a morte de um dos índios. Acha 150 pessoas pouco? Eu não acho, principalmente se pensarmos: será que 150 pessoas se dariam ao trabalho de comparecer numa, por exemplo, palestra do Altino Machado? Acho que não, porque de profissionais que só falam de desgraça e querem apagar o brilho de tudo que é feito no estado para o crescimento já estamos fartos.

    ResponderExcluir
  13. Eu e um amigo comentávamos que uma coisa que achamos bem maldosa foi esse versinho que ele botou no final:

    "Enquanto a cidade se diverte
    Chico Pop chora"

    Só se chora de alegria, Altino! Vai que uma hora dessa ele tá pensando "Pô, que bacana um movimento cultural desses na minha velha e boa Rio Branco..."

    ResponderExcluir
  14. Sobre esse verso eu preferi ficar calado, feliz do Chico Pop por não precisar mais conviver com gente que não tem nada de bom pra falar, que tipo de amigo é esse?
    o/

    ResponderExcluir