terça-feira, setembro 02, 2008

Levantando a bandeira da Paz..




Fiz uma brincadeira no post anterior para tentar esfriar a fervosora cena cultural acreana - fervorosa no bom e no mal sentido. Reconheço que não obtive êxito e, pelo contrário, deixei algumas pessoas magoadas. Ainda que não tenha sido a intenção, acabei jogando mais fogo nisso tudo. A verdade é que a graça de uma piada pode se perder quando você está direta ou indiretamente envolvido nela. São tantos aqui que riem de piadas com os outros em dezenas de blogs e sites, ou mesmo em conversas com amigos, mas revoltam-se quando são eles ou seus amigos e conhecidos os alvos destas piadas. Na verdade, discutir se a piada é boa ou não é secundário, a pergunta pertinente é se ela é ofensiva. Soa ofensivo mostrar a foto de um grupo visivelmente entediado em um auditório dentro de um contexto onde não se está criticando aqueles que estão ali retratados? É motivo para comprometer o trabalho de alguém que não tem nada a ver com a história? Acredito que não. Mas foi o que ocorreu. Acredito, sinceramente, que se não houvesse um clima de tensão por trás disso tudo, esta revolta não ocorreria. Como alguém comentou no post anterior, o Neto aparece na tal foto puxando um ronco e nem por isso demonstrou irritação.

Mas, diante disso, acho pertinente reconhecer o erro de publicar a foto em um momento conturbado de discussões acerca da promoção da música acreana e desculpar-me com essas pessoas. O post polêmico esteve no ar durante um breve período de 2 horas e alguns minutos e já foi editado.

Quero ressaltar que a foto foi obtida através de um simples acesso ao blog Cultura.RB, sem a devida autorização do autor da foto, que repudiou a publicação da mesma neste espaço.

*

Por trás disso tudo, como já mencionei, o que ocorre é uma tensão entre integrantes do Coletivo Catraia, Grito Acreano e pessoas que se posicionam contra ou a favor dos dois projetos. Numa conversa com um integrante do Coletivo Catraia, chegamos ao consenso de que é preciso buscar um pouco de paz pra não atrapalhar o bom andamento do que vem sendo desenvolvido de positivo na cena acreana. Isso não é um esforço apenas meu ou dele. É algo que precisa vir de todos que participam de alguma forma deste processo. Tanto de mim, que critico e dou a cara à tapa, como também de quem critica, se esconde no anonimato e morre negando a autoria de alguns comentários.

A idéia de pacificar as coisas está mais ligada ao que é dito e discutido fora dos blogs do que dentro deles. O Grito Acreano tem essa postura de criticar certos aspectos da cena cultural acreana e, agradando ou não, acredito que preste um serviço importante, por isso venho participando mais ativamente dele. Este é um dos blogs de maior audiência do estado e vem se consolidando também como o mais relevante sobre cultura. Vai haver cada vez mais gente concordando ou discordando do que é dito aqui, mas é bom frisar esta parte: vai haver cada vez mais gente. Ignorar isso como tenta fazer o Catraia, ao invés de dialogar e expor sua versão, só é prejudicial ao próprio Catraia. Chamo os integrantes pra participarem, como fez a Ana no post anterior. Não é preciso uma carta aberta ou uma ligação telefônica. Ameaça de processos judiciais, só na ingênua imaginação que alguns leigos têm quanto à aplicabilidade disto em um caso como este. Além de não resolver nada, claro. Venham aqui, participem. Mostrem suas opiniões sobre o que dizemos aqui. Apesar das discordâncias que eventualmente irão surgir, nunca vi alguém que assine seu nome verdadeiro em um comentário ter sua mensagem deletada por aqui.

*

Buscar a paz e reconhecer um erro não significa que pretenda me censurar ou deixar de criticar alguém ou alguma coisa daqui pra frente. Ou que incentive os outros a fazerem isso. É importante, gostem ou não. Vão dizer que falta propriedade em várias das críticas, mas a verdade é que muitas vezes isso é tão subjetivo.. Uma crítica pode parecer construtiva pro Fulano, mas não pro Sicrano. Pode chatear o fulano, mas parecer correta pro Sicrano. Citando um exemplo: se eu não digo publicamente que a Blush Azul não deve participar do Festival Varadouro este ano, 98 leitores dizem isso através de uma pesquisa. Fico me perguntando: se parte tão considerável do público acredita nisso, será que estou dizendo algum absurdo com o intuito de ofender alguém ou tentar estremecer um bom trabalho? Se eu não digo aqui, ninguém lá parece se manifestar a respeito disso, tanto que aprovaram a escalação da banda, talvez temendo um rompimento de amizade com os integrantes. Como puderam perceber, critiquei mais os responsáveis pela escolha do que a banda, que realmente não tem culpa.

Já tive experiências similares e sei que não devo me furtar de expor o que acho correto, mesmo escorregando e falando abobrinhas algumas vezes. Com o tempo, muita gente vai parar pra rever as atitudes e assumir que cometeu erros, da mesma forma que fiz aqui. Se não criticamos o Coletivo Catraia, o público e os próprios integrantes vão acabar tomando conhecimento de que as coisas não caminham tão bem ao perceberem a evasão contínua de pessoas que tiveram grande importância na estruturação do projeto. Se certas pessoas vêem isso com naturalidade, eu e alguns outros acreditamos que o sinal de alerta tenha sido acionado. O que não significa que seja preciso promover uma guerra entre os que apóiam e os que não apóiam para resolver as coisas. Tudo pode ser resolvido com uma dose de calma, e é isso que anda faltando.

32 comentários:

  1. Pessoas, a UNIÃO faz a força e o açúcar!

    ResponderExcluir
  2. Excelente texto, Thiago, bastante sóbrio. E é justamente essa sobriedade que tá faltando pra cena. Tá tudo muito pessoal.

    ResponderExcluir
  3. O q faz esse blog ser um dos mais visitados é a mesma fómula usada pelo Ratinho, a polêmica e o sensacionalismo.

    ResponderExcluir
  4. Escolheu muito bem a foto.
    Li seu post, e apesar de estar distante (e ao mesmo tempo perto) do que acontece "por aí", penso que essas divergências acontecem em qualquer lugar, mas que não há explicação concreta do que realmente "é a parada que tá rolando". Esse post é interessante mas preoculpa, pois, o que se discute intensamente é o desacordo que há entre um e outro, e o ápice da cena do Acre é a união das maiores forças, ou das melhores críticas (na minha opinião).

    ResponderExcluir
  5. Anônimo11:51 AM

    tomara que tenha mesmo cada vez mais gente aqui ali e lá soh assim pra sacudir essa cidade

    ResponderExcluir
  6. Miriane12:01 PM

    E qntos já não passaram por aí? até eu! E digo mais a discordãncia é uma essência pra crítica, pra os post, pra atitudes, mas tb pra os problemas.. pq é mtu facil falar.. o mais dificil eh compreender. E quem tem a razão? Onde cabe a diversidade? Não é preciso ser unidos e super amigos, mas cabe o profissionalismo, o respeito com a opinião e quem sabe até uma liberdade conversada.

    ResponderExcluir
  7. Deixo registrado aqui, como colaborador do Catraia, que as portas do mesmo sempre estiveram abertas, tanto para entrar como para sair. E que todas as idéias ali são debatidas de forma aberta, colocadas em votação de maneira transparente. Como toda organização pautada por um regimento, o Catraia tem sua metodologia que é aplicada e modificada de acordo com as necessidades.

    Reforçando o que foi conversado ontem por telefone com o Thiago Fialho, quanto mais valor dermos a autodeterminação de cada grupo menos margem a rusgas vamos ter. Bacana é ver a movimentação da cultura na cidade: Norte Noise, Ao Vivo n'Aldeia, Festival Varadouro, Feliz Metal, Semana da Diversidade e tantos outras ações que realmente espantam o tédio e fazem crescer o interesse pela cultura.

    Aproveito para estender o convite feito ao Fialho, para que todos participem do Varadouro ativamente, seja nas cinco oficinas gratuitas, seja nos debates abertos sobre cultura independente, seja apenas prestigiando os shows de bandas de fora e de bandas dos que um dia foram, são ou serão amigos.

    ResponderExcluir
  8. Caramba, eu tava tirando um ronco naquela foto.

    - mode ironia on - "Thiago, você é um péssimo amigo. vc é maldoso e muito feio tbm. vou contar tudo pra minha mãe. Depois vou conversar com o meu advogado sobre isso." - mode ironia off -

    ok. Agora falando sério.

    Se o grito parece com o ratinho, ou não, isso pouco importa.

    O que eu acho interessante é que por aqui quando erramos, sabemos aceitar opiniões diversas e sempre colocamos nossas atitudes em debate. Tudo isso pra evidenciar que podemos, sim, aprender com erros.

    A Thalita França pode vir aqui e falar o que bem quer e será ouvida . Tenho certeza que não posso fazer isso no blog deles, por lá os comentários passam por um crivo antes de serem publicados. O que é realmente está aberto a discussão?

    O debate pra vocês só existe quando está dentro do mundo pequeno e moderno (tedioso) de vocês. E só de vocês. E que pra muita gente já virou motivo de piada e só vcs ainda não entenderam.

    Participar do Varadouro, com certeza estaremos lá. Afinal, das contas não tem porque confudir o fins com os meios.

    ResponderExcluir
  9. Antes de mais nada preciso deixar claro duas coisas: não fui prejudicado no trabalho por conta da foto e nem seria. Felizmente, esse tipo de represária não faz parte do ambiente da FGB - sem puxar a sardinha pro nosso lado; e sobre a fórmula desse blog ser igual do Ratinho, caro André, percebe-se pelo seu comentário vazio que alguém te faz muita falta na TV aberta brasileira.

    Faço críticas aqui sim. E não é algo que acordei num belo dia e disse "porra, tô sem fazer nada, pq não criticar alguém?" Estudei para isso.

    Repito: não concordo com ofensas pessoais, mas críticas criteriosas são muito mais valiosas do que alguns que se escondem em anonimato dizem.

    Vejo um problema em ALGUMAS pessoas que lêem esse blog: são analfabetos funcionais. Lêem e não entendem ou comentam baseados em comentários feitos nas rodas de amigos. Não tem personalidade de formar uma própria opinião, e invés de correr atrás de embasamento, preferem levar pro pessoal.

    É triste, mas o que mais tem é neguinho se deixando levar pela cabeça dos outros...

    ResponderExcluir
  10. Helder, bom saber que você não foi prejudicado na FGB, até porque acharia algo sem pé e nem cabeça, visto que você não teve participação alguma nisso. Só coloquei no texto porque foi dito pra mim que "O cara (você) pode até perder o emprego por causa disso", dessa forma, exatamente com essas palavras. Pelo visto, foi apenas um equívoco.

    ResponderExcluir
  11. Hehehe... Bota equívoco mesmo...

    ResponderExcluir
  12. Anônimo3:46 PM

    aí são toscos

    ResponderExcluir
  13. Cadê o teto de vidro ? ? ?



    ;D

    ResponderExcluir
  14. Post quilométrico...
    Deu preguiça de ler

    ResponderExcluir
  15. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  16. Conforme conversa que eu tive com o Helder, por telefone, vou completar as aspas expostas aqui pra que o equívoco desapareça. Na conversa com o Fialho, foi dito que "(...)esse tipo de atitude gera confusão e atritos. Numa dessas o cara perde o emprego, se prejudica por um ato impensado de terceiros". Continuemos na busca pela coerência. Abraços.

    ResponderExcluir
  17. Obrigado pelo esclarecimento, Janu. Ouvi a frase e achei necessário expor aqui pra justificar a inclusão do trecho do texto que diz que o emprego esteve ameaçado. Mas o importante é que você esclareceu aqui o que quis dizer.

    ResponderExcluir
  18. Anônimo6:15 PM

    Pindura uma bandeira vermelha no pé de manga e tá perdoado Helder.

    ResponderExcluir
  19. Bandeira vermelha vão pensar que é do Angelim pÔ.

    ResponderExcluir
  20. Essa é a dúvida do Plácido.

    Onde enfio esta bandeira?

    ResponderExcluir
  21. Anônimo1:28 AM

    puta que pariu, sério? Vão pensar que é do Angelim? Pensei que tinha feito uma piada, mas não entenderam nada...

    "Antes de mais nada preciso deixar claro duas coisas: não fui prejudicado no trabalho por conta da foto e nem seria. Felizmente, esse tipo de represária não faz parte do ambiente da FGB - sem puxar a sardinha pro nosso lado; e sobre a fórmula desse blog ser igual do Ratinho, caro André, percebe-se pelo seu comentário vazio que alguém te faz muita falta na TV aberta brasileira"

    ResponderExcluir
  22. Anônimo, entenderam sim.

    Aliás, seguindo essa lógica, vou comprar a demo da Blush pra ser perdoado pelo Catraia.

    http://www.foradoeixo.org.br/produtos.php?id=9

    5 reais. O problema é que a loja do site não funciona..

    ResponderExcluir
  23. Anônimo2:43 AM

    vou te cobrir de porrada

    ResponderExcluir
  24. Claro, claro.

    Vai se cobrir é no lençol da cama de tanto medo quando souber que teu IP foi registrado e a pena para o crime de ameaça varia de 1 a 6 meses de detenção ou multa. Humm.. ganhar uns trocados com o "anônimo" frouxo ou não? Vou pensar.

    ResponderExcluir
  25. Ha! Quero ver gente pagando sacolão pro "Educandário"... ;)

    ResponderExcluir
  26. thiago, é vc o victor fasano do twitter?

    ResponderExcluir
  27. eae, quando a gente vai marcar de fazer um som?

    ResponderExcluir
  28. No Varadouro a gente faz, firmeza?

    ResponderExcluir
  29. Anônimo7:27 PM

    Lia [Nao tenho gmail]
    Bom, peguei o bonde muito na frente mas gostaria de me esclerecessem uma coisa:
    eu li aki nesse blog que existem alguma coisa contra e favor dos projetos coletivo catraia e grito acreano. Bom, pra mim ficou claro o projeto do catraia: um coletivo que trabalha com a promoçao das bandas independentes aqui do estado e etc e tal.. e o grito, faz oq mesmo? obrigado

    ResponderExcluir
  30. O Catraia já não trabalha apenas com promoção de bandas independentes, vem diversificando bastante sua área de atuação. Você pode encontrar mais informações a respeito do trabalho do Catraia no blog do coletivo.

    O Grito Acreano é um blog que divulga e discute a cena cultural do estado. Os leitores têm acesso à essas discussões e podem também dar suas opiniões.

    Obrigado.

    ResponderExcluir
  31. Eu acho impressionante a falta persistência retiniana das pessoas que insistem em querer "achar" que o Grito é a mesma coisa do Catraia.
    Pessoas, visão, pessoas.

    ResponderExcluir
  32. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir