terça-feira, outubro 23, 2007

Festival Varadouro - Fotos e Resenhas da primeira noite.

Survive

O show da Survive no Festival Varadouro 2007 apenas confirmou aquilo que já vinha se comentando na cena metaleira de Rio Branco: a banda arrebenta. Mesmo com a responsabilidade de abrir o maior festival de música independente da região Norte, a banda Survive não se intimidou e fez um espetáculo com as guitarras muito bem sincronizadas, baixo e bateria ditando o ritmo pesado e o vocal digno de elogios.

Outro ponto positivo ficou por conta da presença de um grande número de fãs do estilo, para a surpresa até mesmo dos membros da Survive. "Foi incrível a participação do público de preto! Apesar de não ser um festival do nosso gênero musical, o público compareceu mesmo.", disse Josélio, guitarrista da Survive.

A estrutura de som armada pela organização do Festival foi excelente, superando um dos principais problemas enfrentados por quem toca heavy metal, graças a grande estrutura técnica que é exigida pelo tipo de música.

A Survive faz um som definido por eles mesmos como metalcore, despontando como referência do gênero no Acre. Segundo Josélio, um dos principais fatores para a rápida ascensão da Survive são disciplina e seriedade nos ensaios e a facilidade de divulgação do trabalho através da internet.

Depois da experiência do Festival Varadouro, a próxima jornada da banda será no Festival Beradeiros, em Rondônia, no próximo dia 18/11. E assim a Survive vai se consolidando no cenário independente regional.


Escalpo

Já está com um tempo que vem desenvolvendo um bom trabalho e na foi à toa que fora convidada para tocar no festival Varadouro. Botaram pra quebrar e destruíram tudo. Estou falando de uma galera lá do bairro tucumã, ninguém menos que a banda Escalpo.

Eles vêm de uma linha meio punk que se mistura com outras influencias. Todos integrantes estavam realizados, isso era notório, estava na fisionomia de cada um e nos agradecimentos do Mozart entre uma musica e outra. O baixista é um dos caras que mais tem presença de palco, bem que a banda poderia se espelhar nele na hora de se posicionar no palco, ele com certeza foi um show a parte.

Boa banda e já está na hora de trespassar as fronteiras acreanas e começar a tocar nos festivais por aí Brasil a fora.


RECATO

Quando Diogo Soares apresentou a banda como "garotos recatados com uma sonoridade melancólica" definiu perfeitamente a terceira banda daquela noite. Os integrantes da Recato subiram ao palco para serem amados ou odiados, não houve meio termo.

Com uma balada que eu definiria como "los-hermânica" eles acalmaram a platéia pulante dos outros dois shows anteriores. Trouxeram a maresia de um mar que não existe em Rondônia, uma calmaria que combinou perfeitamente com a chuva fina que ainda caía no local. Só senti falta da presença de palco. Estavam seguros, mas sem muita movimentação, o que talvez pudesse ter atingido um público maior.


Lord Crossroad

A Lord Crossroad veio à Rio Branco com a proposta de tocar um rock'n roll setentista e cumpriram muito bem a missão. Arrisco dizer que foi a banda que mais animou o público que, mesmo embaixo de chuva, não deixou de curtir as músicas que misturam influências como Led Zeppelin e a cultura da região Centro-Oeste. No palco, a banda mostrou uma energia que foi transferida aos que assistiam sem conter a empolgação.

"Nós nos divertimos no palco. É emocionante ver um público como esse de hoje no Festival Varadouro! Hoje foi especial.", afirma o baixista Rodrigo, entregando o segredo para tal ligação entre platéia e banda.

A Lord Crossroad tem a consciência que, no atual cenário do rock independente, a participação das bandas no contexto de organização de eventos é fundamental. "O papel de coletivos na formação da cena independente é fundamental. Lá em Cuiabá fazemos isso. Uma banda não pode esperar as oportunidades caírem do céu. Tem que participar.", disse o vocalista Charles.

Com essa atitude ativa no meio musical e o som de qualidade que apresenta, não resta dúvida do potencial que pode chegar a excelente Lord Crossroad.


TETRIS
Os rapazes da Tetris entraram com tudo no palco. Com uma presença de palco impressionante, o vocalista Matheus parecia estar exorcizando algo de seu corpo quando trazia aqueles gritos da garganta. Um banda à la The Strokes, com um estilo bem banda de garagem.

Um show dançante que me lembrou músicas da Jovem Guarda e algumas bandas dos anos 50 e 60 com uma pegada mais forte, mais pesada. Uma ótima banda pra quem não quer ficar parado. "É um prazer estar tocando aqui pra vocês" disse o vocalista. Foi um prazer ouví-los tocando aqui pra gente.


Filomedusa


O Filomedusa é uma banda que já se consagrou na cena acreana. Então no palco, estabeleceu-se aquele clima de um grande sarau.

O público cativo cantava, se balançava e a banda retribuía pela forma que deliciava cada música. Era nítido a satisfação. Carol, com suas performances sensacionais, foi acompanhada pelo brilhantíssimo solo de "Saulinho" e aplaudidos foram. E não é à toa que quando mencionaram que seria a última música o público disse: "Aaaaaaah..."

Saíram aos abraços do palco, carinhosos, amigos, uma equipe. Dá gosto de ver bandas acreanas.

Obs: Episódio: caras: GOS – TO – SA! (3x) Carol: Que bom que vocês acham minha voz bonita!


Superguidis

Logo no inicio do show quando encontrei com o Diogo Soares, vocalistas do Los Porongas, enquanto dançava junto com o público ao som de Superguidis, comentei no ouvido dele: "Essa banda vai ser o Porcas do ano passado!" Comentário surreal pra quem não viveu o varadouro do ano passado.

A cada música o publico aplaudia e pedia mais dos Superguidis, a galera cantava, pulava, se esperneava enfim foi um dos shows da noite em qual o publico mais participou e também uma das bandas que mais interagiu com o público. E quando o show acabou todo mudo pediu bis.

E pra quem não entendeu o comentário: "Essa banda vai ser o Porcas do ano passado!" Danislau Também pode lhe explicar, clique aqui.

Camundogs

Com uma sonoridade totalmente diferente, Camundogs assume de vez a sua musicalidade natural. "O nosso som não é pesado, é assim, bonito", disse Aarão Prado após o show. Músicas limpas e que deixam transparecer toda a sua poesia. A banda assume o rótulo de power-pop e decide ser feliz com isso.


O show foi um misto de baladas e músicas mais pesadas. Músicas inéditas como "Encruzilhada Blues" e "Jully", novas versões de "Antes só" e "Espelhos". O som foi polido, mas continua com a mesma áurea forte e presente, que se percebe no entusiasmo com que o público canta. Camundogs assumiu de vez o que é como banda.


Madame Saatan

É difícil expressar todas as sensações causadas pelo show meteórico de Madame Saatan. Uma banda que chegou cedo, foi simpática e muito requisitada no backstage, todos os integrantes fizeram um aquecimento e minutos antes se abraçaram e conversaram unidos. Palavras que, sem ouvir, já compreendi que transcediam o significado de equipe.

Entram no palco às 2 horas da manhã, última a se apresentar. Apesar da garoa e do cansaço, todos se aproximaram do palco para contemplar a magnitude da performance da banda; alguns balbuciavam suspiros, outros já gritavam e, mesmo sendo poucos que sabiam as letras, não tinha como não se contagiar com a energia vibrante de Saatan.

Eles têm visual, batidas fortes e, ainda a voz potente e aquele hibridismo... outros ritmos.Sammliz é sexy, arrancava olhares e suspiros a cada impulso de seu corpo. O guitarrista dedilhando com prazer cada nota, entre pulos e voltas, um a um formava uma dança sintônica.Depois da quarta música e aplausos, a musa ali representava falava com seu sotaque como se tivesse mesmo em casa: "Mah rapaiz, somos vizinhos!"

Segue-se e tudo foi tão intenso! Depois do show da Madame Saatan, a imagem típica da musicalidade de Belém do Pará se desfaz...


Créditos ao Coletivo Catraia - Comunicação Grito Acreano .

Survive, resenha de Helder Junior e foto de Natercia Damasceno
Escalpo, resenha de Adaildo Neto e foto de Talita Oliveira
Recato, resenha de J. Arthur e foto Natercia Damasceno
Lord Crossroad, resenha Helder Juniro e foto de Talita Oliveira
Tetris, resenha de J. Arthur e foto de Talita Oliveira
Filomedusa, resenha de Miriane Braga e foto de Natercia Damasceno
Superguidis, resenha de Adaildo Neto e foto de Talita Oliveira
Camundogs, resenha de J. "Cidão" Santiago e foto de Talita Oliveira
Madame Saatan, resenha de Miriane Braga e foto de Talita Oliveira

5 comentários:

  1. Mariii11:36 PM

    "Logo no início do show quando encontrei com o Diogo Soares, vocalistas do Los Porongas, enquanto dançava junto com o público ao som de Superguidis, comentei no ouvido dele: "Essa banda vai ser o Porcas do ano passado!"

    Na minha opinião, esse foi um comentário um tanto quanto infeliz. Porcas Borboletas na sua vinda ao acre em 2006, foi uma banda surpresa, que embora desconhecida da grande maioria, levantou e envolveu o publico de maneira a não deixar ninguém de "fora", com uma apresentação diferente de tudo que já se tinha visto por aqui.
    Falando em Superguides, é uma banda que já mostra alguns fãs por aqui, razão pela qual, esperei e apostei em algo bom. Depois da apresentação não afirmo o contrário, porém ouso dizer que Superguides não nos trouxe a surpresa, ou algo diferencial para que se torne " O porcas do ano passado".
    Quarto das cinzas foi uma surpresa. Impressionou e inovou.

    ResponderExcluir
  2. Realmente Mari a surpresa de superguidis foi só para alguns. Para pessoas como eu e diogo soares que gostam de sentir essas surpresas musicais.

    Como diria Gissele "algumas coisas boas são fáceis de perceber q são ou foram boas.. depende da percepção.. "

    no fim é isso.

    ResponderExcluir
  3. Nattércia9:08 AM

    Uma pequena correção: foto de Nattércia Damasceno.
    *Meu outro 't'é carente.

    ResponderExcluir
  4. Meu Deus, credita Miriane Teles..
    blah a resenha do madame saatan nem foi com o título ki mandei =(

    ;*

    ResponderExcluir